Share Voto Rápido

Poll link

500 px
350 px
250 px
Pré-visualizar

- Pré-visualizar

Largura - Altura em pixeis - pixeis

Fechar pré-visualização
! Está a usar um navegador que não é compatível A sua versão do navegador não está otimizada para a Toluna, recomendamos que instale a versão mais recente Atualizar
A nossa Política de Privacidade rege a sua participação no nosso Painel de Influenciadores, que você pode acessar aqui. O nosso website usa cookies. Como no mundo offline, cookies tornam qualquer situação melhor. Para aprender mais sobre os cookies que são usados no nosso website, verifique a nossa Política de Cookies.

smaf

  2 meses atrás

A sustentabilidade das escovas de dentes

As escovas de dentes são objectos que fazem parte das nossas rotinas diárias e já por muitas vezes, enquanto escovava os dentes, pensei que estaria na hora de mudar para uma escova mais sustentável. Esta ideia tem sido cada vez mais forte, desde que vi um pequeno vídeo da Nacional Geographic, de como as escovas de dentes contribuem para a crise do plástico.

E a reciclagem? Bem, a reciclagem das escovas de dentes de plástico não é uma solução viável. Apesar de ser um pequeno objecto, de aproximadamente 12 g, torna-se bastante difícil proceder à separação de todos os materiais que compõem a escova de dentes plástica: cerdas de nylon, cabo plástico e apliques metálicos usados para fixar as cerdas. Só com a efectiva separação destes componentes é que se consegue reciclar os materiais. Uma escova de dentes plástica demora 400 anos a decompor-se. Se tivermos por base uma esperança de vida de 80 anos, e substituirmos a escova de dentes plástica 4 vezes por ano, seremos responsáveis por 320 unidades de escovas de dentes não recicláveis ou 3,840 kg. Não parece muito, pois não? Mas agora multipliquem pelo número de população da vossa cidade, do país, do mundo. Já se começa a ter uma ideia dos impressionantes números deste problema.

Parece-me então uma boa ideia pesquisar no mercado alternativas sustentáveis ao objecto quotidiano plástico. E o que mais se encontra são as escovas de dentes de bambu. Mas o que faz do bambu um material sustentável e o que o distingue da simples madeira?

O bambu é um material muito utilizado no oriente em várias aplicações, e hoje em dia é muito comum vê-lo como alternativa aos materiais ocidentais das nossas rotinas. Mas ao massificar esta utilização estaremos nós a destruir habitats e a colocar em risco animais que dele dependem, como os pandas?

Na realidade existem 1250 espécies diferentes de bambu e muitas delas não são comestíveis. Talvez este desconhecimento da quantidade e características das espécies de bambu, bem como as pressões económicas das indústrias petroquímicas e a sua incapacidade de inovação sustentável, nos tenha, a nós ocidentais, incapacitado de ver a sua importância.

Pelo que consegui investigar, o bambu é realmente ecológico. O termo desflorestação das zonas desta espécie não se aplica, pois apresenta uma capacidade de regeneração após corte surpreendente e não necessita de plantio para se renovar nem de condições especiais de cultura. Além disso é a planta com a maior taxa de crescimento diário e é excelente na captura de CO2. O bambu é um material com excelentes características físicas, químicas e mecânicas. É um material leve mas extremamente durável, e se dúvidas ainda existissem, ele é também considerado um antibacteriano natural e como na sua estrutura não têm qualquer porosidade, evitam também, dessa forma, a contaminação e crescimento de fungos e bactérias. Em suma, é 100 % biodegradável, “eco-friendly” e demora apenas semanas a decompor-se.

Bem, com todos estes argumentos, está na altura de mudar a minha escova de dentes plástica. E é o que farei, assim que esta estiver no seu fim de vida.

Há alguns dias atrás, lancei um voto rápido, que de inocente não tinha nada: perguntei à comunidade Toluna que tipo de escova de dentes utilizavam na sua rotina de higiene oral. 80% das pessoas que votaram ainda utilizam escovas de dentes plásticas e apenas 6 % já utilizam escovas biodegradáveis (os restantes 14% são pessoas que preferem as escovas eléctricas). Quando analiso os resultados por faixa etária, verifico que a maior percentagem de utilização de escovas biodegradáveis se encontra na faixa etária do +55 anos, algo que me surpreendeu pois estaria à espera deste resultado nas gerações mais novas, que dizem que são mais atentas ás questões ambientais. Curioso, não?

E vocês, são tinham pensado nesta questão? Porque ainda não mudaram para escovas de dentes biodegradáveis e o que falta para que isso aconteça?
E já agora, aqueles que já fizeram o "upgrade" sustentável, que conselhos e dicas podem deixar aqui para aqueles, como eu querem fazer a transição?
Responder
Comente

anapaulagomess

  2 meses atrás
Já vi essas esvovas,atualmente uso as elétricas,quando as deito fora é mo ecoponto amarelo. Vou ponderar em mudar.
Temos de tentar ao máximo substituir o plástico das nossas vidas,depende tmbm das emp
Responder
1 comentários

AnaT71

  2 meses atrás
Aqui em casa vamos a meia mudança, explico-me parte já mudou e parte ainda não. Em breve todos já teremos feito a mudança.
Achei curiosíssimo o tópico e a forma como foi apresentado.
Assim como outros colegas sobre as alternativas às escovas plásticas tenho a dizer o seguinte um dos principais problemas julgo ser o valor das alternativas, dai talvez não haver ainda tantas pessoas a ter mudado. Outra questão que já tenho pensado sobre ela é muitas das alternativas que apresenta o mercado não virem com cerdas naturais. No entanto esta ultima questão que coloco já acabou por respondida pela colega S1896259c.
Cara S1896259c, mais uma vez obrigada por ajudares a encontrarmos mais caminhos para um futuro bem mais verde. Vou já espiolhar.
Responder
2 comentários

M112275

  2 meses atrás
Pois..o preço é o pior. Mas também já ponderei mudar Responder
1 comentários

penedo.fmg

  2 meses atrás
Mea culpa....ainda não fiz a transição e o motivo é simples o preço das escovas...aqui batemos na mesma tecla....a sustentabilidade é fundamental, mas nem todas as bolsas podem fazer as escolhas mais sustentáveis....eu já faço tanto e gasto tanto nesta área...mas o dinheiro não estica....e além disso eu só coloco escovas no lixo quando elas perderam as cerdas na totalidade....isto porque uso as após o seu tempo útil de vida, na limpeza da casa, o meu marido usa na mecânica e usamos em muitas outras situações na quinta, na limpeza das bicicletas....e isto é o que tenho a dizer em minha defesa, pelo facto de ainda não ter aderido as escovas de bambu... Responder
2 comentários

S1896259c

  2 meses atrás
Cá por casa já usamos há 3 ou 4 anos as escovas Hydrophil (cabo de bambu e cerdas à base de plantas), quando mudamos vão diretamente para o compostor. E não queremos outra coisa! Responder
2 comentários

Maryjonh

  2 meses atrás
É verdade, usamos muito e trocamos muitas, já encontrei na farmácia em bambu, e também já vi anúncio em algum lugar em madeira. Responder
1 comentários

VirginiaBH

  2 meses atrás
Já tinha lido blogs com esta alternativa, fiquei bastante interessada mas ainda "aderir" ou melhor ainda não encontrei no mercado. Vou fica atenta ao teu tópico para ver se há colegas aqui no Toluna que já tenham usado e, já agora, ler as opiniões! Responder
1 comentários

Pmbramos1978

  2 meses atrás
verdade Responder
0 comentários

Copiado para a área de transferência

Está quase lá

Para poder criar conteúdo na comunidade

Verifique seu e-mail / reenviar
Não, obrigado! Estou apenas de passagem

OK
Cancelar
Desactivamos a funcionalidade de login com Facebook. Por favor, digite o e-mail associado ao seu Facebook para receber um link de criação de palavra-passe.
Por favor, insira dados válidos para Email
Cancelar
A processar...
Quando coloca uma imagem, o nosso site fica melhor.
Carregar